Sinusite é doença crônica? Veja as 4 mais comuns

Sinusite é doença crônica? Veja as 4 mais comuns
Compartilhe:

Uma dorzinha de cabeça que não passa, somada a uma tosse com secreção e espirros podem ser comuns na vida de algumas pessoas. Tanto que, muitas vezes, são indícios de alergia, por exemplo. Porém, também são sinais de uma inflamação bem conhecida. Se você sofre com isso ou conhece alguém, já deve estar atento ao que vamos falar. Sim! A sinusite é uma doença que pode ser crônica e em alguns casos é relacionada à rinite, conforme a OMS. 

Se você quer entender como a sinusite pode acontecer, continue lendo este artigo. Além de compartilharmos informações, abordaremos também um pouco sobre outras doenças crônicas comuns. 

Sinusite: conheça mais sobre essa doença crônica 

Esse problema é caracterizado por uma inflamação em toda a região dos seios faciais ― cavidades ósseas ao redor do nariz, maçãs do rosto e olhos. Pode ser resultado de uma gripe ou de algumas alergias. Quando os sintomas duram mais de doze semanas ou são intermitentes, diz-se que a sinusite é uma doença crônica. Entre os sintomas, estão: 

  • tosse, que pode ser pior durante a noite; 
  • dores no maxilar superior e dentes; 
  • redução ou perda do olfato; 
  • fadiga ou irritabilidade; 
  • pressão ou dor facial; 
  • mau hálito (halitose); 
  • garganta inflamada; 
  • dor de ouvido; 
  • náusea. 

Percebeu que alguns dos sinais do problema são parecidos com os de resfriado e, até mesmo, com os da Covid-19? Pois é! Eles são! Então, é muito importante que você consulte um médico ou farmacêutico. Eles poderão diagnosticar o seu problema e indicar o tratamento correto. Lavar as narinas com soro fisiológico é recomendado e benéfico, porém, lembramos que para sinusite, são utilizadas algumas substâncias que podem interferir nos quadros de outras doenças. Até mesmo os descongestionantes nasais quando usados com muita frequência podem causar necrose da parte interna do nariz, por isso é necessário buscar a orientação de um profissional antes de se medicar por conta própria.  

Mas afinal, o que são as doenças crônicas? 

Segundo o Ministério da Saúde, mais de 50 milhões de brasileiros possuem algum tipo de doença crônica. Popularmente conhecidas como doenças para toda a vida, elas são as condições clínicas de longa duração que apresentam sintomas de lenta progressão. Alguns sinais são silenciosos, outros são esporádicos. Também, há aqueles que aparecem diariamente, comprometendo a qualidade de vida e bem-estar de quem a possui. 

Outra característica das doenças crônicas é que elas não possuem uma única causa. Muitas vezes são resultado de maus hábitos, como sedentarismo. Entretanto, fatores genéticos e ambientais também são contribuintes para o surgimento dessas patologias. 

Confira outras doenças crônicas comuns 

De acordo com a OMS, há diversas doenças crônicas identificadas. Cada uma possui um tratamento e cuidados específicos. Porém, para este artigo, trouxemos as 4 patologias mais comuns. Confira! 

1. Diabetes

Essa é uma doença crônica com duas classificações. A do tipo 1, quando o pâncreas não produz insulina suficiente, que causa o excesso de glicose no sangue. Já a do tipo 2 está relacionada à dificuldade do corpo em introduzir o açucar dentro das células onde será processado. 

Muitas pessoas descobrem que possuem o diabetes somente quando os sintomas mais graves começam a aparecer. São eles: a vontade excessiva de urinar, muita sede, fome constante, alterações na visão, fadiga e problemas renais. 

O tratamento para esse problema de saúde pode ser controlar o consumo de alguns alimentos e fazer uso de medicamentos, a depender da indicação do seu médico. 

2. Hipertensão arterial

Popularmente conhecida como “pressão alta”, tem como característica os elevados níveis da pressão arterial. Ou seja, a hipertensão arterial é responsável por contrair os vasos sanguíneos, o que faz com que o coração se esforce mais. 

Assim como outras doenças crônicas, essa acontece de forma silenciosa, sendo que a principal recomendação é aferir a pressão com frequência. Ela também pode ajudar a desencadear em infarto ou acidente vascular cerebral (AVC), por exemplo. 

Consulte sempre seu médico para saber qual o tratamento mais adequado para o seu caso, mas saiba que alimentação e atividade física são recomendadas. 

3. Obesidade

Muita gente não sabe, mas a obesidade é uma doença e é crônica! Caracterizada pelo acúmulo excessivo de gordura corporal, implica em diversas outras doenças. Embora seja bastante associada apenas à alimentação desregrada e à falta de exercícios físicos, existem diversos fatores responsáveis pelo seu surgimento. A genética, uso de alguns medicamentos e insônia são alguns deles. 

A obesidade pode ser tratada com a ajuda de uma equipe multidisciplinar composta por médico, nutricionista, psicólogo, profissional de educação física e até mesmo farmacêutico. O grupo poderá prescrever uma alimentação saudável, os exercícios corretos, além de fazer o monitoramento da condição de saúde da pessoa. Em casos mais graves, procedimentos cirúrgicos podem ser indicados. 

4. Doenças respiratórias

São aquelas que atingem as vias aéreas superiores e inferiores, bem como as estruturas pulmonares. Confira as mais comuns. Talvez você conheça alguma delas. 

  • Rinite: é uma inflamação da parte interna do nariz. Possui sintomas simples, como coriza, coceira, congestão nasal e espirros. Comumente é desencadeada quando a pessoa entra em contato com vírus, fungos, ácaros, poeira entre outros. 
  • Asma e DPOC: consistem na inflamação dos brônquios, o que reduz a passagem do ar para o pulmão. Tosse, falta de ar, chiado e dor no peito são alguns dos indícios. A normalmente ocorre quando há contato com pó, poeira, mofo e odores fortes. Já a DPOC, além dos sinais citados, está relacionada ao tabagismo e exposição a poluentes. 

Neste artigo, compartilhamos um pouco sobre a sinusite e outras doenças crônicas comuns. Algumas delas podem se agravar, caso não seja dada a devida continuidade de tratamento. Por isso, é muito importante se lembrar de tomar os medicamentos na hora e da maneira prescrita, como você pode conferir aqui. 

Quer receber mais informações sobre bem-estar, saúde e organização de medicamentos? Então, continue acessando nosso blog. 

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine nossa newsletter
Receba nossos conteúdos com prioridade direto em seu e-mail